29 de março de 2017

Um passeio por Brotas


Um certo dia, uma amiga postou uma foto no facebook. Era sobre uma excursão. Depois daquele dia, passei a acompanhar os posts daquela página. Até que um dia eles postaram sobre uma viagem que eu sempre quis ir. Deixei tudo programado, fiz o pagamento, mas a viagem foi cancelada. 

Recebi o dinheiro de volta e continuei acompanhando os posts para ver se me interessaria por algum passeio. Eu queria algo que fosse perto da minha cidade, um lugar que ainda não tinha ido. Então um dia apareceu a chance que eu tanto buscava. Era uma viagem bem curta e rápida, do jeito que eu queria. O destino: a cidade de Brotas. 

Saímos às 7:30 da manhã de um domingo com céu feio. Estava nublado com cara de chuva. O organizador da excursão até mandou mensagem perguntando se a gente queria desistir. Claro que não íamos desistir só por causa de um céu cinzento. 

Chegamos em Brotas depois de uma hora e trinta minutos. Tão perto que não deu para ficar cansada da viagem. O parque ainda estava abrindo e a gente querendo ir para o rafting. Mas como era um grupo grande só fomos para o rafting na parte da tarde. Pela manhã ficamos só no parque. 

Estava vazio por causa do clima. Foi bom, assim a gente não precisou enfrentar filas para ir nos brinquedos. 

Olha eu ai, andando no slackline, com esse look de dormir. Não dá para ir arrumada num lugar desses. É muito difícil andar nisso. No final fiquei até com calor. 



Aproveitei para andar no aquaball. Sempre desejei entrar nessa bola. É uma sensação incrível. 



Eu e minha irmã fomos dar uma volta de caiaque. Não tiramos fotos por que o celular estava com a gente e só uma coisa vinha na minha cabeça: "vou cair nesse lago e não sei nadar". Ainda bem que isso não aconteceu. O lago não é fundo, mas para quem não sabe nadar, um lago é praticamente um oceano.

Aproveitamos para mais uma foto e com o lago ao fundo.



Depois do almoço, fomos dar uma volta por uma trilha. Muito verde por todos os lados, sons diferentes e uma parada para uma selfie. 



Um pouco antes das 3 horas da tarde, todos nós fomos chamados para o rafting. Era a hora de se arrumar, colocar os coletes, capacetes e ir para o ônibus que nos levaria para o rio Jacaré-Pepira. Dentro do ônibus, tivemos as instruções de segurança. 

No bote estava 7 pessoas e o instrutor. Também estava o medo, a insegurança, a ansiedade, a felicidade e muitos outros sentimentos.  

A primeira queda a gente nunca esquece.



As fotos foram tiradas por uma instrutora. A turma do meu bote se uniu e compramos as fotos. O instrutor nos disse que nas cidades tem congestionamento de carros, mas nos rios, o congestionamento é de botes. Só nessa foto são 4 botes, mas tem outros que não aparecem por estarem mais acima ou abaixo do rio. 



Olha eu de boca bem aberta. Estou fazendo um V de vitória pela superação do meu medo de entrar no rio.



No final do rafting, eu já estava tão acostumada com a aventura que levantei o braço. Não, eu não estava acostumada com as águas, só confundi o rafting com a montanha russa.
   

O rafting durou uma hora e trinta minutos, mas eu tive a sensação de ter ficado na água por apenas 5 minutos. Foi incrível.

Se você também gosta de esportes radicais, clique aqui e veja as informações do parque e formas de pagamento. Venha se aventurar aqui pelo interior de São Paulo.



Por hoje é só pessoal...
Beijinhos e até mais...

28 de março de 2017

Os minutos de desespero


Aproveitei uma bela manhã de sábado, para fazer alguns testes e brincar com a minha amiga. Eu gosto de estar ao lado dela quando estou sozinha em casa por que ninguém me atrapalha. Pode parecer um pouco egoísta da minha parte, mas prefiro desse modo.

E lá fui eu, me distrair e praticar o que eu tinha aprendido. Eu e ela estávamos na cozinha pois era um lugar bem iluminado e com muitos objetos para fazer os testes. Organizei os itens e lá fomos nós brincar por alguns instantes.

Só que algo deu errado. A minha amiga estava sem vida, não queria brilhar como antes. Só pensei que ela poderia ter morrido e eu não poderia salvá-la. Naquele desespero em que me encontrava, fui em busca de informação na internet. Nada me ajudou, não encontrei uma única resposta que poderia me tranquilizar. 

Então, olhei para a minha amiga sem vida. Olhei com mais atenção e percebi que talvez houvesse uma solução. Rapidamente, tirei aquela coisa que estava em seus olhos, apertei em alguns lugares e tudo voltou ao que era antes. 

Uma felicidade invadiu o meu coração. Ela estava de volta e não tinha nada de errado. A única coisa errada era a minha falta de atenção. A minha amiga só estava com o protetor de lente e seria impossível eu ver algo. Depois do susto, eu e minha amiga, uma câmera bem velhinha, fomos tirar algumas fotos e esquecer dos minutos de desespero. 


(Eu fui tirar algumas fotos, mas esqueci de tirar o protetor da lente e pensei que a câmera estava quebrada. Mais um fato da minha distração que serviu para o texto de hoje).



Por hoje é só pessoal...
Beijinho e até mais...

27 de março de 2017

Como decorar a sua televisão com moldura


Antes as televisões eram uma caixa grande e precisavam ficar numa estante. Com a chegada de novas tecnologias, elas se tornaram mais compactas e mais finas. Então, não é mais necessário ter uma estante na sala, basta pendurar a televisão na parede. 

Só que colocar a televisão na parede pode deixar a decoração sem aquele charme que a gente gosta de ver em nosso lar. Para isso existe solução e muita criatividade, que é pensar na televisão como se ela fosse um quadro. E se o que vemos ao redor de um quadro é uma moldura, podemos também usar a moldura ao redor da televisão. 

A televisão irá fazer parte da decoração da parede de sua casa. A cor da moldura poderá fazer parte da palheta de cores de sua sala ou ser de outra cor.   


Provavelmente será bem difícil encontrar uma moldura que seja exatamente do tamanho da televisão. A melhor solução, é ir em uma loja especializada e mandar fazer uma moldura que tenha o tamanho da sua televisão. 

O tamanho não precisa ser exatamente igual ao da televisão. Dá para fazer uma moldura um pouco maior para criar um efeito bem criativo na parede. Uma outra ideia é fazer uma moldura com desenho, textura e cor, tudo que possa estar de acordo com outros itens da decoração. 


Como a ideia é deixar a televisão com jeito de quadro, é possível acrescentar outros quadros ou molduras ao redor e deixar toda a parede decorada. 

O divertido será ligar a televisão e surpreender seus amigos e familiares, já que não é muito comum ver uma televisão com moldura. 


Alguma vez, você pensou em colocar moldura na sua televisão?



Por hoje é só pessoal...
Beijinhos e até miais...